GSI

Por que também precisamos falar de violência?

O objetivo da ação é chamar atenção para uma temática que atravessa à vida de várias mulheres: a violência. Partimos do pressuposto que a violência contra a mulher é um tema complexo e que, embora falemos dela, ainda é bastante invisível. A proposta é a construção de murais sobre a temática. Pretendemos evidenciar que temos muito a caminhar quando o tema é violência. Assim, afirmamos, através dos murais, que, realmente, ainda precisamos do dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

UM NOVO OLHAR SOBRE A APOSENTADORIA (Cópia) 13-01-2016

A proposta UM NOVO OLHAR SOBRE A APOSENTADORIA, surgiu a partir da preocupação com esta etapa da vida das pessoas e, vem se aprimorando através das discussões e avaliações que acontecem no decorrer do processo. Esta avaliação é contínua e tem promovido um amadurecimento, profissional e pessoal, trazendo significativas contribuições para todos que participam, tanto docentes, como discentes envolvidos diretamente com o público alvo que tem atingido com a realização dos grupos.

Atendimento clínico a casais em crise

O programa de extensão Acompanhamento Terapêutico a casais em crise se desenvolverá através dos seguintes eixos: curso de extensão (34 h) para estudantes de graduação em Psicologia da UFF e de outras instituições; atendimento clínico oferecido a casais no SPA-UFF (Serviço de Psicologia Aplicada); palestras e rodas de conversa junto à comunidade. A prática de extensão será desenvolvida pela coordenadora do projeto, por duas ou mais bolsistas de extensão.

Reabilitação Humana, trabalho e inserção social.Uma análise das deficiências na convergência com a mobilidade em Nova Friburgo e Niterói. (Cópia) 09-01-2014 (Cópia) 05-01-2015 (Cópia) 26-01-2016

Atenta-se aos impasses que compõem o cotidiano de pessoas com deficiência. Destacam-se os objetivos: analisar vetores de produção de concepções de deficiência e contrapor leituras da condição de deficiente. Indaga-se: De que modo o deslocamento na cidade atravessa o tratamento? Que estratégias são adotadas para o acesso ao trabalho? Que outros modos de intervir Psi são possíveis ao se reconhecer o protagonismo de nossa clientela? Para a discussão dessas questões recorre-se às contribuições de Certeau (1994), Canguilhem (2002), Lancillotti (2003) e Nunes (2005).

Como cuidar dos cuidadores? Inserção da Psicologia no trabalho de reabilitação (Cópia) 12-09-2015

Este trabalho visa, em parceria com o Departamento e Educação Física, atuar junto às pessoas com deficiências que participam do Projeto da Natação Adaptada e aos seus cuidadores. Para tal empreendimento, serão apontadas duas frentes de trabalho: a parceria junto aos professores e alunos de Educação Física por meio de reuniões de equipe semanais, concomitantemente, a realização de grupos de conversa, atividades físicas e dinâmicas de grupo junto aos cuidadores das pessoas atendidas pelo programa.

Uso de drogas entre acadêmicos do curso de psicologia da Universidade Federal Fluminense

Pesquisas tem demonstrado que o período universitário é considerado como crítico para o início e manutenção do uso abusivo prejudicial de álcool e outras drogas. Vale ressaltar que este período coincide com o término da adolescência e início da vida adulta, período marcado por mudanças significativas na vida das pessoas. O ingresso na universidade muitas vezes está atrelado a mudanças de hábitos de vida culturais e sociais, diferença no padrão de consumo, afastamento de familiares, inserção em outras redes sociais, adaptação a novas formas de aprendizado e avaliação, entre outras.

Etnoeducação em Oriximiná-PA: Narrativas e alteridades

Essa ação se articula ao Programa Educação Patrimonial em Oriximiná/PA (PROEXT 2016), desenvolvido no âmbito do Instituto de Humanidades e Saúde (IHS) e do Instituto de Psicologia (IPSi). Realizado por docentes e alunos da UFF de diferentes cursos, o Programa teve inicio em 2008 em Oriximiná. Caracteriza-se por ações articuladas e processuais que se efetivam na interface entre a Educação, Cultura e a Etnografia. A principal linha de ação se inscreve através de pesquisa intervenção de construção coletiva como metodologia que vem sendo denominada Etnoeducação.

Educação Patrimonial em Oriximiná-PA: Processos coletivos de ensino e aprendizagem

Essa ação se articula ao Programa Educação Patrimonial em Oriximiná/PA (PROEXT/2016), desenvolvido no âmbito do RAE e IPSi. Integrado por docentes e alunos da UFF de diferentes cursos, o programa vem se desenvolvendo desde 2008, como ação de Extensão em Oriximiná. Caracteriza-se por ações articuladas e processuais que se efetivam na interface entre a educação, a Cultura local e a Etnografia em Oriximiná/PA.

Programa Vida no Campus 2016 - Sensibilidade em Ações Socioambientais

O Vida no Campus é um programa de extensão universitária da Universidade Federal Fluminense, sediado no Campus do Gragoatá, em Niterói-RJ. Ele vem, ao longo de seus quinze anos de atuação, investigando o cotidiano do campus universitário e nele intervindo de acordo com estudos e estratégias da Psicologia Ambiental - área da Psicologia que prima pelo entendimento das interações humano-ambientais. Ele busca sensibilizar a comunidade do campus para questões socioambientais em vista de mudanças qualitativas, buscando ainda integrar atividades acadêmicas à administração geral do Campus.

Os confins da psicanálise em tela: a mulher, o corpo, o amor e a morte

Este projeto encontra-se articulado com o Programa Extensionista Permanente intitulado Serviço de Psicologia da Área Cirúrgica - GSI/HUAP e com o Grupo de Pesquisa CONFINS. Este foge às propostas usuais de apresentação e discussão de filmes, pois procura escapar da mera aplicação de um saber sobre os elementos presentes no contexto cinematográfico. Desde 1986, a utilização de obras cinematográficas e literárias é prática utilizada pelo grupo, apresentando resultados significativos para formação profissional principalmente, mas não exclusivamente, na área da psicologia.