Coordenador : Manuel Gustavo Leitão Ribeiro
Ano: 2021
Publico Alvo : Participarão do estudo 11 terapeutas da ACA, 3 mães, 3 pais e 4 crianças, na faixa etária de 3 a 5 anos, diagnosticadas com TEA, totalizando 3 famílias de baixa renda. As famílias foram escolhidas pela ACA para iniciarem o programa de intervenção remota e só terão participação efetiva nesta pesquisa mediante concordância e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), que será assinado também pelos profissionais participantes. Como critérios de inclusão, foram selecionados as crianças e os pais que estão participando das intervenções terapêuticas disponibilizadas somente pela ACA e seus profissionais do grupo terapêutico. Serão excluídos os profissionais que não fazem parte do grupo terapêutico e as crianças e os pais que são assistidos por terapeutas que não atuam na ACA.
Local de atuação: GCM
Resumo
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) acarreta alterações cognitivas que podem afetar a funcionalidade, a autonomia e a interação social dosindivíduos. Intervenções precoces, tais como enriquecimento do ambiente, podem proporcionar mudanças cognitivas e comportamentais mais significativas, devido à maior plasticidade cerebral na infância, quando as funções cognitivas ainda se encontram em fase de maturação. Salienta-se a importância da avaliação dos avanços cognitivos proporcionados pelas intervenções terapêuticas e pedagógicas, como os ganhos de autonomia e funcionalidade que irão favorecer a inclusão escolar e social das crianças com TEA. Esta pesquisa busca desenvolver um protocolo de avaliação dos avanços cognitivos para um programa de intervenção com crianças com TEA. O projeto terá colaboração da Associação Caminho Azul (ACA), que promoverá um programa de intervenção remota do qual participarão 11 terapeutas, 3 mães, 3 pais e 4 crianças, na faixa etária de 3 a 5 anos, diagnosticadas com TEA. A elaboração do protocolo de avaliação dos avanços cognitivos das crianças será dividida em três etapas. Na etapa inicial será construída uma escala com a utilização da metodologia GAS (Goal Attainment Scaling). A segunda etapa contará com análise qualitativa da percepção dos pais e terapeutas envolvidos sobre os avanços cognitivos das crianças. A última etapa analisará quali-quantivamente os ganhos de autonomia e funcionalidade das crianças, a partir dos dados coletados nas etapas anteriores. Os resultados dessa pesquisa poderão direcionar as intervenções terapêuticas e pedagógicas futuras e instruir pais, terapeutas e professores sobre os aspectos cognitivos já conquistados pelas crianças a partir das intervenções realizadas.