Coordenador : Dayse Lima da Costa Abreu
Ano: 2021
Publico Alvo : Funcionários e Produtores Avícolas, professores, pesquisadores, acadêmicos de Medicina Veterinária e/ou Biologia, pós-graduandos em Medicina Veterinária, Médicos veterinários que trabalham no setor avícola e público atingido indiretamente: participantes de eventos do setor avícola e de higiene de alimentos em que serão apresentados os resultados dos trabalhos.
Local de atuação: MSV
Resumo
A avicultura brasileira é um setor de grande importância econômica e social que se desenvolveu muito nas últimas décadas, destacando-se principalmente no mercado mundial de carnes. O Rio de Janeiro tem uma produção muito aquém da média nacional e, além disso, existem ainda pequenas criações caipiras espalhadas por todo o estado que necessitam implementar medidas sanitárias para se manter livres ou controladas de patógenos. O governo brasileiro incentiva a avicultura industrial e familiar e, visando garantir a saúde das aves e a qualidade dos produtos avícolas, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil definiu um programa de gestão de risco diferenciado, baseado em vigilância epidemiológica por monitoramento laboratorial e adoção de vacinas, para os estabelecimentos avícolas considerados de maior susceptibilidade à introdução e disseminação de agentes patogênicos no plantel avícola nacional e para estabelecimentos avícolas que exerçam atividades que necessitam de maior rigor sanitário. O presente projeto de extensão tem como objetivo monitorar e diagnosticar as principais doenças que afetam as aves, com prioridade para aquelas abordadas no Programa Nacional de Sanidade Avícola do Brasil, como a Micoplasmose e a Salmonelose, bem como avaliar outros fatores que interfiram na eficiência produtiva como a qualidade da água, do manejo e das instalações e higiene dos produtos derivados, visando promover e contribuir para o desenvolvimento da avicultura fluminense e regional, assim como garantir a saúde dos animais e dos consumidores.