Coordenador : Magda de Souza Chagas
Ano: 2021
Publico Alvo : Serão convidados os usuários/pacientes portadores da Doença de Parkinson do GAP, que fazem acompanhamento dos no ambulatório do HUAP e seus familiares. Realizaremos encontros virtuais com o GAP e a partir daí selecionaremos aqueles que aceitarem participar. Consideramos número mínimo de 10(dez) usuários/pacientes, mas consideramos a possibilidade de expandir à medida que aceitem participação
Local de atuação: MSS
Resumo
O Projeto Diálogos e Narrativa no Cuidado em Saúde tem foco na realização de encontros, escuta e construção de narrativas e narradoras(es). A decisão de trabalhar com portadores da Doença de Parkinson-DP (doença crônica não transmissível), seus familiares e cuidadores, ocorre pela complexidade que representa o estado crônico, que exige construção de caixa de ferramenta ampla dos profissionais envolvidos diretamente no projeto terapêutico. Assim como olhar cuidador e diferenciado da cidade para as necessidades do portador de DP e novas relações com a intersetorialidade. O envolvimento de discentes de modo interdisciplinar tem como intenção aproximá-los da maneira como cada usuário/paciente, familiar e cuidador(a) enfrenta a vida cotidianamente, como constroem cuidado e o processo de viver a doença, inclusive durante a pandemia de covid-19. A intenção é que esta aproximação com a DP contribua no processo de formação de cada discente ao possibilitar concomitantemente experiência interdisciplinar e destes com as famílias e pacientes/usuários. Todos em processo de conhecimento do outro, autoconhecimento, trocas e reformulações. Trabalharemos com narrativa que transitará da ferramenta técnica da pesquisa, como estratégia para acessar a experiência subjetiva e as biografias dos usuários/pacientes, familiares, até chegar ao lugar de objeto de conhecimento. Esperamos, a partir do contato com as situações e experiências de vida enfrentadas pelos pacientes/usuários, com recorte para o momento de distanciamento social, fortalecer a autonomia de quem vive a DP, ofertar escuta cuidadosa e assim singularidade, articulado com o processo de formação do(a) discente. De modo geral apostamos no processo de subjetivação de todas(os) envolvidas(os).