Coordenador : Alejandra Luisa Magalhães Estevez
Ano: 2019
Publico Alvo : O projeto, fruto de uma demanda apresentada pelos movimentos da luta por moradia, tem como público-alvo movimentos sociais do município de Volta Redonda, sobretudo aqueles movimentos ligados à luta pelo território e pela moradia, professores e alunos do
Local de atuação: VMD
Resumo
O presente projeto integra as ações previstas pelo programa de extensão do OBSERVATÓRIO DE DIREITOS HUMANOS DO SUL FLUMINENSE e é fruto de questões e demandas apresentadas pelos movimentos sociais de luta pela moradia do município de Volta Redonda. Vale mencionar que o projeto teve início em fevereiro de 2018 e pretende dar continuidade aos trabalhos com as ocupações Dom Waldyr (MTST), 9 de novembro (MNLM) e Irmã Dorothy (MST). Tal proposta, ao compreender o campo dos direitos humanos como processos institucionais e sociais que possibilitam a abertura e a consolidação de espaços de luta pela dignidade humana, pretende contribuir, a partir da reflexão crítica e comprometida, para a garantia de acesso igualitário aos bens necessários para uma vida digna, sobretudo no que se refere ao direito à terra e à moradia. Para tal, o projeto tem como objetivo fornecer subsídios de análise da realidade social sobre os processos de distribuição de bens e riquezas que resultam na concentração fundiária e no controle do território pelas elites locais e na reprodução de políticas públicas ineficientes no que se refere à garantia do direito à moradia digna por parte do próprio poder municipal. O recorte cronológico para desenvolvimento das investigações e ações compreende o período a partir da privatização da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), marco do avanço do projeto neoliberal na região que altera profundamente a paisagem e dinâmica social da cidade, até os dias atuais (1993-2020).