Coordenador : Patricia Burth
Ano: 2019
Publico Alvo : Empresas de saneamento ambiental, órgãos governamentais envolvidos com a fiscalização da qualidade da água e alimentos, além da população em geral.
Local de atuação: GCM
Resumo
A crescente demanda mundial por alimentos tem sido atendida através de meios capazes de assegurar a produção de culturas agrícolas em larga escala. A ameaça de pragas é um dos fatores que limitam este processo, sendo necessária a adoção de medidas de controle. A utilização de substâncias químicas denominadas genericamente de pesticidas, tem sido uma das formas predominantes para atingir este objetivo. Entretanto, a ação inespecífica destes compostos, que a princípio deveriam atingir somente os organismos alvo, exerce efeitos danosos sobre o ambiente, atingindo o homem e outros seres vivos. O Brasil está entre os principais consumidores mundiais de agrotóxicos. Torna-se, portanto imperativo, para a proteção dos usuários, o levantamento das condições de qualidade dos mananciais hídricos utilizáveis, além do acompanhamento daqueles já em uso, e que apresentam riscos de contaminação. O elevado custo de monitoramento faz com que análises para a avaliação do teor dos agrotóxicos em água e alimentos não sejam realizadas com a periodicidade devida. A ausência destas informações dificulta a ação de órgãos fiscalizadores na tarefa de garantir ao consumidor uma produção agrícola de qualidade assegurada. Este projeto tem como objetivo produzir kits e também efetuar análises para a identificação da presença de agrotóxicos organofosforados e carbamatos em água e alimentos, baseados na inibição da enzima acetilcolinesterase. Tal metodologia permite a detecção de compostos fosforados e carbamatos em águas e alimentos em concentração baixa equivalente a 5 μg/L, alardeando para a necessidade de medidas de controle de contaminação.