Coordenador : Joanna Maria Gonçalves de Souza Fabjan
Ano: 2019
Publico Alvo : Produtores de caprinos e ovinos; discentes de Medicina Veterinária, médicos veterinários de campo, funcionários de centrais de biotecnologias reprodutivas (que produzem embriões), dentre outros envolvidos na cadeia produtiva de pequenos ruminantes.
Local de atuação: MCV
Resumo
O presente projeto tem como objetivo reportar à sociedade brasileira e mundial o cenário e as tendências do comércio nacional de embriões em pequenos ruminantes. De acordo com a Sociedade Internacional de Tecnologia de Embriões (International Embryo Technology Society, IETS), atualmente, o Brasil é o país que mais produz embriões in vitro de bovinos no mundo. Esta biotécnica é essencial para a difusão mais rápida do melhoramento genético de fêmeas superiores, assim como a produção in vivo de embriões. Apesar de informalmente sabermos que ambas as biotécnicas também são aplicadas em pequenos ruminantes, não há divulgação destes dados para a IETS e, consequentemente, o Brasil aparece como um país em que não há comércio de embriões para o resto do mundo. A primeira parte deste projeto será a compilação destes dados a partir da comunicação com as associações de criadores de caprinos e ovinos e com os médicos veterinários de campo que praticam esta biotécnica. Posteriormente, será realizada uma análise conjuntural e a divulgação para a sociedade, em especial para os envolvidos na cadeia produtiva de pequenos ruminantes como: discentes, docentes, médicos veterinários de campo, produtores, empresas produtoras de insumos, centrais de produção de embriões, dentre outros. Este levantamento estatístico é extremamente importante para demonstrar que existe demanda de mercado para estas biotécnicas em pequenos ruminantes, o que certamente pode estimular positivamente o mercado. Além disso, o relato quantitativo destes embriões em cada ano pode tornar possível avaliar as tendências de mercado, para acompanhar possíveis flutuações em segmentos específicos.