Coordenador : Paulo Pires de Queiroz
Ano: 2019
Publico Alvo : - Professores da escola básica; - Licenciandos dos cursos de Ciências Sociais, Pedagogia e outros; -Gestores da escola básica; - Alunos da escola básica e - Cidadãos do estado do Rio de Janeiro.
Local de atuação: SSE
Resumo
Esta proposta reflete acerca da confluência entre as interfaces saúde, educação e diversidade. Baseada na concepção da saúde e da educação interculturais concatenadas a uma diversidade presente nos debates acadêmicos atuais, esta ação extensionista firma seu compromisso em explorar as possíveis contribuições da dinâmica sociocultural ao bem-estar físico, mental e social no cotidiano escolar brasileiro. Frente à urgência que se impõe, o estudo centra-se na formação de professores como um espaço de construção de identidades profissionais comprometidas com a propositura de práticas pedagógicas interculturais em prol do ensino da saúde. Nesse âmbito, a questão que motiva esta proposta é: Como sujeitos licenciandos e docentes da escola básica podem desenvolver ideias e atitudes crítico-reflexivas em favor da promoção do ensino de saúde intercultural? A hipótese de trabalho nesse campo é que a realização de dinâmicas dialógicas e práticas de ensino interculturais realizadas em conjunto com os licenciandos e docentes da escola básica contribui significativamente à construção de identidades profissionais comprometidas com a reflexividade crítica e a interculturalidade no ensino da saúde da/na escola básica. Em termos gerais, a pesquisa visa analisar os efeitos do desenvolvimento de dinâmicas dialógicas interculturais e práticas de ensino nas representações sociais sobre a saúde e a educação intercultural de sujeitos licenciandos em diversas áreas. Para tanto, a investigação será composta por uma estratégia metodológica participativa que compreenderá a realização de atividades colaborativas de reflexão crítica sobre a construção de currículos e práticas de ensino interculturais no ensino da saúde na escola básica.