GAG

Navegando na Baía de Guanabara analisando cenários urbanos (Cópia) 30-03-2015

O projeto se propõe a realizar ações extensionistas na comunidade de Jurujuba, Niterói, trabalhando a interface Geografia, História, Meio Ambiente e Educação. Em um contexto de globalização, a manutenção dos caracteres culturais de comunidades tradicionais, bem como a preservação de seu patrimônio (econômico, cultural e ambiental). Para isso propomos um trabalho interdisciplinar, no intuito de promover a cultura pesqueira do bairro, associada à formação de uma consciência ambiental na população, bem como o cuidado com o seu espaço de vivência.

Laboratório Horta na Morada 2016

O Projeto Laboratório Horta Na Morada é uma iniciativa de um coletivo de estudantes residentes da Moradia Estudantil UFF, que obteve respaldo em 2014 na Prefeitura do Campus e na Direção da Moradia, bem como apoio do Departamento de Análise GeoAmbiental, através do Professor Alexandre José Firme-Vieira, de Agricultura Urbana.

Produção e disseminação de modelos físicos para o Ensino de Cartografia e Astronomia (Cópia) 19-01-2014

O projeto de preparação e disseminação de material para o ensino consiste em confeccionar jogos didáticos e documentos técnicos com atividades que possam ser norteadores dos professores em salas de aula. Os temas abordados dão enfoque de Cartografia, Meio Ambiente, Paisagem com predominância em nas Ciências da Terra. Promover junto aos estudantes do curso de Geografia, Pedagogia da UFF possibilidades de utilizarem instrumentos e recursos como mapas e bússolas com trilhas de orientação e através oficinas.

Impactos ambientais no Mangue de Barra de Guaratiba: um exercício de educação ambiental (Cópia) 31-01-2016

O presente trabalho visa analisar especificamente a dinâmica sedimentar, o comportamento dos manguezais em cenários de elevação do nível do mar, e as transformações causadas pelas alterações no uso do solo, tendo como área de estudo a Baía de Sepetiba. Ao final, construir uma cartilha conceituando mangue, mostrando sua importância ambiental e as alterações que esse ecossistema sofre de ordens natural e antrópicas.

Cartografia dos ambientes costeiros: representações, monitoramento e atividades práticas

Pretende-se criar um material didático para a realização de um curso de cartografia dos ambientes costeiros: representações, monitoramento e atividades práticas, voltado para alunos de Bacharelado de Ciência Ambiental e outros, como Geofísica, Biologia, Engenharia Ambiental. Material didático será criado com base em levantamentos bibliográficos, aquisição de imagens processadas de satélites e geoprocessamento. A idéia é contribuir com os estudos costeiros.

SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário (Cópia) 04-02-2016

O projeto SIGCidades, desenvolvido na UFF desde 2008, tem origem nos editais do ProExt/MEC-MCidades, que visavam à capacitação de técnicos para o fortalecimento da capacidade técnica e institucional dos municípios. Durante o período de 2008 a 2015, foram realizados 24 cursos presencias e dois seminários, com a participação de mais de 400 técnicos de prefeituras fluminenses, além de órgãos federais e estaduais, e estudantes universitários.

SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário

O projeto SIGCidades, desenvolvido na UFF desde 2008, tem origem nos editais do ProExt/MEC-MCidades, que visavam à capacitação de técnicos para o fortalecimento da capacidade técnica e institucional dos municípios. Durante o período de 2008 a 2015, foram realizados 24 cursos presencias e dois seminários, com a participação de mais de 400 técnicos de prefeituras fluminenses, além de órgãos federais e estaduais, e estudantes universitários.

Mudanças ambientais na paisagem costeira do estado do Rio de Janeiro (Cópia) 16-12-2015

As mudanças ambientais na zona costeira são de ordem natural e induzidas pelo homem. As variações do nível do mar, por exemplo, ao longo do Holoceno (últimos 11 mil anos da história da Terra) levaram a transformações da paisagem ao afogar áreas que estavam expostas e a devolver o que estava submerso. Essas oscilações do nível do mar levaram a diversas mudanças de cenários. Numa escala de tempo mais curta, o homem aparece como o grande vilão ao aparecer como o grande agente transformador não só da natureza mas como também da qualidade ambiental.